Quando a política encontra a HBO

Confesso, sou meio marota.

Adoro uma briguinha esotérica em redes sociais, dessas que geram zil memes e gifs animados. Especialmente se é pra realçar o absurdo de certas situaciones.

Com a segunda onda de coronacontágios crescendo alucinantemente na Espanha e a capital Madri prestes a ser confinada de novo a partir da noite de hoje (02 de outubro, pouco mais de uma semana depois do início do outono), os ânimos políticos por aqui estão acirradíssimos, as emoções, tocadas. Eu entendo, eu entendo. Tamo sensíver.

Pois o mais recente trending topic nacional embebido em tais sentimentos nasceu nesta última quinta (01) de um cruzamento de coronavírus com a série “Chernobyl” da HBO, e gerou resposta até do criador da série.

“A CHERNOBYL DA EUROPA”

Fato importante: a Grande Madri responde agora mesmo por mais de um terço dos quase 134 mil novos casos de Covid das últimas duas semanas, com uma taxa de 780 infectados por 100 mil habitantes.

Em sessão no plenário nesta quinta (01), o porta-voz do Más Madrid, partido centro-esquerdista de perfil jovem, atacou o governo de Madri encabeçado por Isabel Díaz Ayuso, chamando a cidade de “a Chernobyl da Europa”, em alusão à situação dramática vivida atualmente pela capital espanhola.

Em seu discurso, comparou a “negligência com que se gestionou o histórico acidente nuclear” à suposta má administração da crise por parte da governadora de Madri Isabel Díaz Ayuso –e aproveitou pra recomendar aos circunstantes a premiada série homônima da HBO.

(vixe)

Ayuso, filiada ao direitista PP, causou fricassê nacional com a resposta, em que bota a culpa nos, errr, comunistas: “Chernobyl nos demonstra como um sistema corrupto em mãos do comunismo levou à morte e destruição por ocultação. Chernobyl não aconteceu em Madri, aconteceu governada (sic) por vocês”.

((adoro fricassê))

O PP, que tem aproveitado qualquer oportunidade pra colar no governo central (formado pela coalizão de esquerdas de PSOE e Podemos) os rótulos de “comunista”, “chavista” e similares, curtiu tanto essa declaração da Ayuso que retweetou depois em sua conta oficial, impávido e confiante em sua Razão Imaculada.

“NÃO ENTENDEU NADA”

Desse tweet do PP brotou um thread com comentários de todo tipo, ainda em profuso processo de propagação (PPP).

O mais badalado comentário vem do próprio criador da série “Chernobyl”, o norte-americano Craig Mazin, que declarou, simplesmente: “Está claro pra mim que ela não entendeu o ponto da série”.

Não entendeu e, aliás, não viu: Ayuso declarou que não tem “tempo pra ver séries de televisão” como seu interlocutor do Más Madrid, que, segundo ela, “não faz outra coisa a não ser dar lição de moral do sofá de casa”.

A TUMBA DE LORCA

Não é a primeira vez que as pendengas ibéricas cruzam com séries da HBO.

Em agosto, a conta de Twitter de David Simon, criador de “A Escuta” (“The Wire”), foi inundada por 180458170 comentários de usuários espanhóis depois que o vice-presidente Pablo Iglesias tweetou sua opinião sobre a nova série do autor intitulada “The Plot Against America”, sobre a escalada do nazismo nos Estados Unidos pós-Roosevelt. No tweet, ele citava o autor.

Iglesias foi em seguida devorado por sua plateia de amantes e detratores, como de costume –ele é um dos sacos de pancada favoritos dos trolls antigoverno de plantão.

Já Simon, notoriamente um cara de gênio, digamos, fuerte, ao receber a colateral saraivada de comentários vindos da Espanha, disse: “meu feed está cheio de franquistas e catalanistas gritando entre si em línguas que não são a minha. Ok. É 1937 de novo. Fuck the fascists. No pasaran (ele quis dizer “não passarão”, mas disse “não passaram”)”.

Sei lá, super American essa declaração, ain’t it?

Em resposta a algum usuário, Simon defendeu Iglesias (que até então não sabia quem era, alegando que “nos EstadosUnidosdaAmérica, nós mal nos detemos pra relembrar nossos primeiros vice-presidentes”), dizendo que sua opinião sobre a série “faz sentido”.

E disparou adiante: “depois de 72h de jogação-de-m**** com trolls espanhóis direitistas, ganhei 9 mil novos seguidores do outro lado do oceano, ávidos por mais conversa de m**** sobre a Guerra Civil e a tumba de Lorca. Agora, vão ter que aguentar comentários sobre orçamentos do serviço postal e lances do Baltimore Orioles [time de beisebol]”. Auch.